O apelo de Rabat ao status de Jerusalém, destaque da visita do Papa Francisco a Marrocos - JeuneAfrique.com

O soberano pontífice com o rei Mohammed VI, março 30, Rabat. © MAP

La visite du pape François a braqué les projecteurs du monde sur le royaume pendant quarante-huit heures. Temps fort : la signature d’un document sur Jérusalem.

Nada no press kit da visita sugeriu que o assunto fosse convidado para o cardápio da viagem papal a Marrocos, a marcha 30 e 31. Pois, durante esses dois dias com um alto fardo simbólico, o rei Mohammed VI não apenas assumiu seu papel como Amir Al Mouminine ("comandante dos fiéis"), mas também, como apresentado pela agência oficial de notícias. , o MAP, o de presidente da Comissão Al Quds ("Jerusalém", em árabe), que Marrocos tem presidido desde a sua criação pela antiga Organização da Conferência Islâmica (OCI), na 1979.

Já no 30 March, depois do tête-à-tête, os dois chefes de estado convocaram a imprensa na sala do trono. E que eles saibam que vão cosignar um "Chamada em Jerusalém, cidade santa e lugar de reunião". Um religioso católico postado no Marrocos admite: "Eu ouvi sobre isso cerca de três meses antes da viagem. O palácio desejou

Agora você está conectado à sua conta Jeune Afrique, mas você não está inscrito na Jeune Afrique Digital

Isto é somente assinantes


Subscrever de 7,99 €para acessar todos os itens em ilimitado

Já é assinante?

Precisa de ajuda

Seus benefícios de assinante

  1. 1. Acesse ilimitado todos os artigos no site e o aplicativo Jeuneafrique.com (iOs & Android)
  2. 2. Faça uma prévia, 24 horas antes da publicação, de cada edição e fora da série Jeune Afrique no aplicativo Jeune Afrique The Magazine (iOS & Android)
  3. 3. Receba o boletim diário de poupança para assinantes
  4. 4. Desfrute de 2 anos de arquivos da Young Africa em edição digital
  5. 5. Assinatura sem compromisso de duração com a oferta mensal tacitamente renovável*

*Serviço disponível apenas para assinaturas abertas.

Este artigo apareceu primeiro em JOVENS ÁFRICA