Fashion: O Instituto Sueco de Paris celebra a criação africana - JeuneAfrique.com

Com o evento Creators on the Move !, o Instituto Sueco de Paris oferece um festival multidisciplinar e internacional em torno de criadores da Zâmbia, Quênia, Ruanda e muitos outros países.

Amantes de cantos tranquilos no barulho de Paris estão familiarizados com o Instituto Sueco, refúgio de calma onde é bom tomar uma bebida no pátio pavimentado com bom tempo e quente no café quando os elementos são menos favoráveis. Esta semana, e até abril 14, é por uma razão muito diferente que iremos para lá.

O Instituto hospeda um evento batizado Criadores em movimento! É um projeto interdisciplinar e internacional que reúne artistas visuais de diferentes países. Originalmente, um projeto conjunto, o Sweden @, foi lançado na 2013 e passou pela África do Sul, Colômbia, Quênia, México, Ruanda, Zâmbia e Suécia, é claro. Moda, design, vídeo, música e fotografia são exibidos nos diferentes salões, como no jardim do Instituto, que é transformado para a ocasião em um "espaço de colaboração e intercâmbio". abordando tanto o público em geral quanto os atores das indústrias criativas e culturais na França. "

"Nairobi Beards", do fotógrafo Mutua Matheka. © Matua Matheka

Entre o queniano Mutua Matheka, que está fotografando as "Barbas de Nairobi", o ruandês Philippe Nyirimihigo, que documenta a redescoberta de seu país e do continente através da moda, e Ugandan Sarah Waiswa que propõe com Twofivefuture uma série sobre como os jovens quenianos se apropriam o conceito de afrofuturismo, os trabalhos propostos são ao mesmo tempo variados ... e desiguais.

© Philipe Nyirimihigo


>>> LEIA - Afrofuturismo, quando a arte imagina o futuro


Referências político-militares

Na escadaria que sobe ao piso do Instituto, a exposição dedicada à moda ("Além das expectativas") é sem dúvida a mais interessante por oferecer criações originais, levando um discurso política. Este é notavelmente o caso da coleção primavera-verão 2018 "Mino", da casa de moda I Am Isigo fundada por Bubu Ogisi e baseada em Gana, Nigéria e Nova York. Com tecidos feitos em Ouidah, Benim, de algodão, fibras de nylon refletivas e veludo amassado, a coleção Mino celebra as Amazonas do Daomé.

Explorar temas de dignidade africana, mudança e empoderamento das mulheres é o objetivo de Matthew "Tayo" Rugamba

Mas Bubu Ogisi não é o único designer a integrar referências político-militares. Assim, com a sua colecção "Sankara - the Upright Man", o fundador da casa de moda ruandesa House of Tayo, Matthew "Tayo" Rugamba não esconde as suas referências, na ideia de explorar "os temas da Dignidade africana, mudança e empoderamento das mulheres ". Outras criações vêm a desmontar, se necessário, que o que vestimos possa fazer sentido, dar significado e introduzir uma distância crítica com o consumista pronto para pensar.

Finalmente, além das criações e instalações imersivas apresentadas no instituto, o festival Creators on the move! oferece uma programação rica de reuniões e intercâmbios, com a ideia sempre enriquecedora para enfrentar outros horizontes.

Este artigo apareceu primeiro em JOVENS ÁFRICA