Costa do Marfim: O mercado de cartões de identificação biométricos confiado a Semlex - JeuneAfrique.com

A empresa belga Semlex ganhou o concurso para a renovação dos cartões de identidade nacionais, anteriormente confiados à empresa francesa Idemia. A empresa conquistou assim o mercado para a introdução de cartões biométricos, estimados em 460 bilhões de francos CFA.

O contrato que a Semlex venceu é uma parceria com o Escritório Nacional de Identificação (ONI) por um período de doze anos. É confiada à empresa o "processo de implementação das soluções que compõem o Registro Nacional de Pessoas Naturais (RNPP)" por dois anos ", com prioridade para a solução que permita a produção de carteiras de identidade nacionais", diz declaração do governo divulgada em abril 10.


>>> LEIA - Eleições: tecnologias biométricas cada vez mais presentes na África


"O sistema é dimensionado para produzir pelo menos 36 milhões de cartões durante o contrato, incluindo 12 milhões nos primeiros dois anos, para atender aos requisitos de renovação dos cartões de identidade nacionais que expiram em junho 2019" continua o governo.

460 bilhões FCFA

O projeto foi liderado por Sidiki Diakité, Ministro do Interior e da Segurança, que o submeteu à assinatura de um decreto do Chefe de Estado, Alassane Ouattara.

De acordo com estimativas feitas pelo governo final da 2018, a criação de cartões de identificação biométricos inteligentes no formato exigido pelos critérios em vigor na Comunidade Econômica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) deve custar 460 bilhões de FCFA.


>>> LEIA - Eleições: biometria e novas tecnologias não são garantias


O belga Semlex não é desconhecido no país. A empresa enfrentou retrocessos na República Democrática do Congo (RDC) e o Judiciário belga está atualmente investigando a empresa, no contexto de um processo de lavagem de dinheiro e corrupção alegado.

A empresa escolhida pelo estado marfinense foi escolhida contra a francesa Idemia (ex-Morpho), que estava encarregada deste contrato desde a 2007. Outros candidatos desafortunados: o holandês Gemalto e os Snedai-Zetes, da Costa do Marfim e da Bélgica.

Este artigo apareceu primeiro em JOVENS ÁFRICA