Papel da França em Ruanda: o Partido Socialista se recusa a assinar um apelo para "manter um discurso de verdade" - JeuneAfrique.com

Lors des commémorations du génocide des Tutsi au Rwanda, le 7 avril 2019 au stade Amahoro à Kigali. © Ben Curtis/AP/SIPA

Le premier secrétaire du parti socialiste français a refusé d’apposer sa signature au bas d’une lettre ouverte enjoignant Emmanuel Macron à « tenir un discours de vérité » sur le rôle de la France dans le génocide des Tutsi. Selon Olivier Faure, les autorités rwandaises « instrumentalisent le génocide pour consolider leur dictature ».

Olivier Faure, o primeiro secretário do Partido Socialista Francês, recusou-se a participar de uma carta aberta publicada no início de abril em vários jornais, incluindo Le Monde, que chamou Emmanuel Macron para ir a Ruanda para a comemoração 25e e para "Segure um discurso de verdade" sobre o papel da França no genocídio dos tutsis.

Agora você está conectado à sua conta Jeune Afrique, mas você não está inscrito na Jeune Afrique Digital

Isto é somente assinantes


Subscrever de 7,99 €para acessar todos os itens em ilimitado

Já é assinante?

Precisa de ajuda

Seus benefícios de assinante

  1. 1. Acesse ilimitado todos os artigos no site e o aplicativo Jeuneafrique.com (iOs & Android)
  2. 2. Faça uma prévia, 24 horas antes da publicação, de cada edição e fora da série Jeune Afrique no aplicativo Jeune Afrique The Magazine (iOS & Android)
  3. 3. Receba o boletim diário de poupança para assinantes
  4. 4. Desfrute de 2 anos de arquivos da Young Africa em edição digital
  5. 5. Assinatura sem compromisso de duração com a oferta mensal tacitamente renovável*

*Serviço disponível apenas para assinaturas abertas.

Este artigo apareceu primeiro em JOVENS ÁFRICA